Claudel Doucet

Entrevista

Nos fale um pouco de seu percurso atlético, acrobático ou artístico antes de começar a trabalhar para o Cirque du Soleil:

Eu estudei na Escola Nacional de Circo de Montreal, onde fiz uma formação geral durante cinco anos antes de me especializar em tecido aéreo. Após ter terminado meus estudos, trabalhei para algumas companhias de circo e continuei meu treinamento.

  • Claudel Doucet
  • Canadá
  • Tecido aéreo
Quando você se reuniu à equipe do Cirque du Soleil?

Eu comecei os ensaios em janeiro de 2005 e subi ao palco pela primeira vez em março de 2005.

Como aconteceu seu primeiro contato com o Cirque? Qual era o contexto?

Como cresci em Montreal e freqüentei o meio das artes circenses, eu estava sempre perto da ação. Desde pequena, eu já ia ver cada novo espetáculo do Cirque du Soleil que estreava em Montreal.

Nos fale sobre sua audição, formação ou oficina.

Eu fiz uma audição para o papel de Azalaa. Era um pouco estranho para mim, pois vários de meus amigos estavam ensaiando para Corteo no estúdio onde eu estava fazendo minha audição.

Como foi a sua integração em Montreal e ao espetáculo?

Minha integração foi muito rápida. Por outro lado, como eu tinha que terminar um compromisso profissional ao mesmo tempo, minha carga de trabalho era enorme. Além disso, ao chegar à turnê, eu fiz duas semanas de ensaios para poder me integrar bem ao espetáculo.

Do que é que você gosta mais como membro do Cirque du Soleil?

Eu adoro viajar e estar no palco. O Cirque du Soleil me oferece a oportunidade de fazer estas duas coisas.

Como foi a transição de sua carreira anterior a seu papel atual no Cirque?

Como eu já era artista de circo antes de me reunir à equipe do Cirque du Soleil, minha transição foi muito natural.

Por que você recomendaria a um artista de se tornar membro do Cirque?

O Cirque du Soleil oferece um ambiente de trabalho excelente aos artistas e uma equipe de suporte extraordinário; os treinadores, fisioterapeutas, serviços de turnê e a equipe artística são incomparáveis.

Como é a vida numa turnê?

Eu escolhi as artes circenses, pois queria um trabalho que me permitisse viajar. A turnê é um modo de vida exigente, mas também extraordinário.