Denise Stefanie Gonzalez

Entrevista

Realização artística mais importante antes de se reunir à equipe do Cirque du Soleil:

Eu fiz minhas primeiras gravações profissionais aos oito anos de idade e lancei meu primeiro CD de jazz aos 12 anos. Minha primeira experiência de turnê foi quando fiz o papel principal na comédia musical Selena Forever. Eu já cantei diante de 45.000 pessoas durante um programa especial transmitido pela televisão e diante de 650.000 pessoas na Fiesta Broadway, o maior festival de música latina de Los Angeles!

Nos fale um pouco de seu percurso artístico antes de se reunir à equipe do Cirque du Soleil:

Eu comecei minha formação vocal no Mt. San Jacinto College aos oito anos de idade. Além disso, também fiz cursos no conservatório de Las Rosas em Morélia, no México, o mais antigo conservatório da América do Norte. Aos 12 anos, comecei a estudar jazz e canto clássico na Idyllwild Arts Academy, onde tinha uma bolsa de estudos. Porém, não fiquei por muito tempo, pois me reuni à trupe do espetáculo Quidam. Após ter participado do espetáculo, durante um ano e meio, eu voltei a estudar música, na Pepperdine University em Malibu, na Califórnia.

  • Denise Stefanie Gonzalez
  • EUA
  • Canto
Quando você se reuniu à equipe do Cirque du Soleil?

Eu comecei a trabalhar para o Cirque du Soleil em 2002, aos 13 anos de idade.

Como aconteceu seu primeiro contato com o Cirque? Qual era o contexto?

Meu agente entrou em contato com o Cirque du Soleil e pouco depois, eu gravei alguns materiais de demonstração baseados em peças de Quidam. Em seguida, fui convidada para uma audição em Los Angeles.

Nos fale sobre sua audição, formação ou oficina.

Fiquei surpresa de ver como o ambiente da audição era descontraído. Todo mundo era muito simpático e me colocaram à vontade, como se eu cantasse para meus amigos! Após minha audição, uma pessoa do Casting me acompanhou para encontrar minha família e conversar um pouco. Era a melhor audição que eu podia esperar!

Como foi a sua integração em Montreal e ao espetáculo?

Eu cheguei a Montreal no início de janeiro de 2002; como fazia FRIO! Eu adorei a cidade e minha passagem pelo estúdio. Estava a oitava série na época e ia para a escola pela manhã. Depois, para minhas aulas de canto, um curso de representação teatral e finalmente um curso de movimento. Deixei Montreal para me reunir à trupe de Quidam no início de março.

De que maneira fazer parte de um espetáculo do Cirque du Soleil permite que você se exprima em sua disciplina?

Como cantora, poder dar o melhor de si mesma é importante para se descobrir interiormente, tanto mental quanto fisicamente… e isso é algo que tenho de fazer diariamente. Exige muita dedicação, perseverança e conhecimento de mim mesma. Uma vez que tudo isso foi dominado, estamos em condições de dar o melhor de nós mesmos em cada apresentação.

Do que é que você gosta mais como membro do Cirque du Soleil?

O que eu gosto no Cirque du Soleil é a possibilidade de viajar, a oportunidade de me entregar em espetáculo, a fantástica energia do público e todo o talento que nos rodeia. E como se tudo isto não fosse suficiente, eu tenho a impressão de ter uma família em turnê.

Como foi a transição de sua carreira anterior a seu papel atual no Cirque?

Eu me considero uma pessoa de sorte por trabalhar para o Cirque du Soleil tão jovem, porque pude me adaptar rapidamente e minha mãe me acompanhava em turnê! Agora que eu viajo só, as transições são mais fáceis.

Por que você recomendaria a um artista de se tornar membro do Cirque?

Esta é uma oportunidade de fazer uma carreira naquilo que se gosta de fazer, sem mencionar o entusiasmo de descobrir cidades, culturas, línguas e até nossos próprios colegas. Além disso, estamos sempre aprendendo… eu comecei como cantora e agora estou treinando para fazer acrobacias aéreas!

Como é a vida numa turnê?

A vida em turnê é muito diferente. Aprender a viver com suas malas é algo difícil, ainda mais para alguém como eu que adora sapatos! Chegar a uma nova cidade é sempre excitante, pois existem muitas coisas a ver e descobrir! A vida de turnê nunca é entediante.

Você gostaria de fazer outros comentários?

Minha experiência com o Cirque du Soleil tem sido extraordinária. Eu comecei a trabalhar para o Cirque aos 13 anos de idade e viajei por toda a América do Norte e até para o Japão. Deixei Quidam para terminar meus estudos secundários e ir à universidade, e após um ano de universidade, voltei em turnê com o Cirque du Soleil, no show Corteo. Eu me sinto privilegiada e tenho a intenção de trabalhar para o Cirque du Soleil no futuro!