Tumelo “Michael" Moloi

Entrevista

Realização artística mais importante antes de se reunir à equipe do Cirque du Soleil:

7a edição dos Jogos Africanos de 1999; Vita Dance Umbrella Awards 1997-2000; turnê na Europa, de 2001 a 2006 (França, Bélgica, Londres, Alemanha e Suécia).

Nos fale um pouco de seu percurso artístico antes de se reunir à equipe do Cirque du Soleil:

Durante mais de 10 anos, fui coreógrafo, professor e dançarino para a Via Katlehong.

  • Tumelo “Michael" Moloi
  • Johannesburg
  • Gumboots, pantsula e sapateado
Quando você se reuniu à equipe do Cirque du Soleil?

Em dezembro de 2006. Passei somente uma semana em Montreal antes de me mudar para Las Vegas.

Como aconteceu seu primeiro contato com o Cirque? Qual era o contexto?

Eu participava de um festival, na França, quando o Cirque du Soleil me descobriu e acabei fazendo uma audição na África do Sul.

Nos fale sobre sua audição, formação ou oficina.

Achei a audição fácil, porque tudo que tinha que fazer era o que já fazia há muitos anos. O treinamento foi duro, mas estimulante.

Como foi a sua integração?

No início, foi difícil trabalhar com um grupo de dançarinos que tinha habilidades muito variadas. Porém, minha transição foi facilitada porque trabalhei com artistas maravilhosas e talentosas como Natasha Jean-Bart (Lady Madonna em LOVE).

De que maneira fazer parte de um espetáculo do Cirque du Soleil permite que você se exprima em sua disciplina?

O Cirque du Soleil oferece aos artistas a liberdade de explorarem e se desenvolverem de muitas maneiras. A arte e a cultura se encontram nesta empresa e isto me agrada muito.

Do que é que você gosta mais como membro do Cirque du Soleil?

Eu adoro trabalhar com pessoas de horizontes diferentes e descobrir o que fazem. Eu gosto também da segurança de meu primeiro contrato de longo prazo e de todas as vantagens que o Cirque du Soleil oferece.

Como foi a transição de sua carreira anterior a seu papel atual no Cirque?

Uma coisa interessante que eu descobri foi que tinha me desenvolvido tanto como artista de palco que quanto dançarino. Eu estou feliz de dizer que faço aquilo que sempre fiz durante toda a minha vida, porém, agora, eu o faço à maneira do Cirque du Soleil.

Por que você recomendaria a um artista de se tornar membro do Cirque?

Fazer parte do Cirque du Soleil não é somente agradável no palco, é também agradável fora do trabalho.

Como é a vida em Las Vegas?

A vida em Las Vegas às vezes pode ser uma loucura e um pouco confusa, por que acontecem muitas coisas ao mesmo tempo, mas é isso também que torna tudo estimulante!

Você gostaria de fazer outros comentários?

Guardemos acesa a chama da arte com paixão e amor! Estar juntos é mágico e o amor é um só!